sexta-feira, 29 de maio de 2009

O eclipse de 1919


Há 90 anos, em 29 de maio de 1919, uma equipe de astrônomos ingleses estava em Sobral, no interior do Ceará, para observar e fotografar um eclipse total do Sol. A principal motivação dessa expedição científica era verificar a previsão de Albert Einstein para o desvio da luz de uma estrela ao passar perto do Sol. Einstein calculou o valor desse desvio usando sua teoria da Relatividade Geral, publicada em 1916, e a comunidade científica estava ansiosa para saber se esse valor seria, ou não, comprovado pelas medições astronômicas.
O efeito da gravidade na propagação da luz provoca uma curvatura. Sendo de pouca intensidade, o efeito só poderia ser detectado com a observação de luz passando nas proximidades de um corpo muito massivo. Assim surgiu a grande chance com o eclipse solar de Sobral, comprovando que Einstein estava certo.
As Teorias propostas pelo físico Albert Einstein (1879-1955) revolucionaram a Física no século XX, ampliando nossa visão da compreensão do Universo.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Enciclopédia Ilustrada do Universo


A Duetto Editorial traz ao leitor brasileiro a Enciclopédia Ilustrada do Universo, uma obra de referência essencial para a exploração do Cosmos. Ecrita em linguagem clara e acessível por uma equipe de astrônomos liderada pelo professor de Cosmologia e Astrofísica da Universidade de Cambridge Martin Rees.
Universo traz centenas de ulustrações, infográficos, diagramas e fotos que ampliam o alcance do nosso olhar para distâncias antes inconcebíveis. Verdadeiro guia para a exploração visual dos intrigantes fenômenos do espaço, a enciclopédia traz a beleza do céu noturno, algo partilhado por todas as gerações desde os temos pré-históricos, para mais perto.
A Enciclopédia é composta de 5 volumes, contendo mais de 3000 ilustrações em 540 páginas:

1 - Um mergulho no cosmos: a natureza do universo e seus fundamentos físicos

2 - O Sistema Solar: uma viagem pelos planetas rochosos e gasosos

3 - O Reino das Galáxias: o nascimento das estrelas e o colapso de sóis agonizantes

4 - As Constelações: suas histórias desde os povos antigos, mitos e lendas

5 - Guia do Céu Noturno: mapas para identificar o universo visível mês a mês

Lógico que eu já tenho a minha... Se você gosta de Astronomia e Astrofísica você irá se encantar. Para mais informações clique aqui.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Em 2 0 0 9 . . .


Muitas águas vão rolar... Estamos apenas chegando ao meio do ano e ainda temos muito a brindar, pois este realmente é o ano das comemorações. Além dos 400 anos do primeiro uso astronômico de uma luneta, realizado pelo italiano Galileu Galilei, coincidentemente, em 2009 também comemoramos:

1) os 300 anos da invenção do balão pelo padre Bartolomeu de Gusmão;

2) os 200 anos do nascimento de Charles Darwin;

3) os 100 anos da produção industrial do avião inventado por Santos Dumont;

4) os 90 anos do Eclipse Solar total, observado em Sobral-CE, com o qual se comprovou a Teoria da Relatividade;

5) os 40 anos do primeiro pouso na Lua; e

6) os meus 30 anos de vida... ehehehe... EITA FESTÃO!!!!!

sexta-feira, 15 de maio de 2009

O segundo planetário na região norte é acreano/acriano

O Planetário do Acre será o segundo a ser implantado na região norte e deverá possuir uma cúpula interna de nove metros de diâmetro. Além do Planetário, o espaço contará com telescópios de alta resolução e um espaço adequado para observação. Terá aproximadamente 523 metros quadrados e será construído na área que inclui o espaço ocupado pela antiga lagoa de estabilização do Conjunto Universitário.
O projeto, levando-se em conta o valor do projetor, telescópios e da construção, tem um custo estimado em R$ 1,7 milhão. Os recursos foram, em parte, obtidos através de emenda individual proposta pelo deputado federal Nilson Mourão (PT-AC) junto ao Orçamento Geral da União.
Esperamos que seja um espaço de caráter educacional, científico e cultural destinado ao ensino, pesquisa e divulgação científica na área de Astronomia e a servir como espaço de lazer e cultura à população acreana com o desenvolvendo de um intenso programa de atividades educativas, como cursos, oficinas, palestras, exposições e observações.

Explorando o Universo sem sair de casa

Asteróides, estrelas, cometas e planetas... Imagine poder viajar pelo espaço e conhecer o Sistema Solar sem precisar sair de casa. Impossível? Que nada! Se você tem a internet ao seu alcance ou apenas um computador, pode viver essa aventura.
Vários softwares educativos como planetários virtuais, enciclopédias, cartas celestes e simuladores de órbitas, por exemplo, Stellarium, Celestia, Google Earth, Planetarium, Google Sky, 3D Solar System, Cartes du Ciel, National Geographic Visions of Space Screensaver, WinStars, WorldWide Telescope, Virtual Moon Atlas Expert, KStars, Home Planet, entre outros, lhe ajudará a explorar o céu em 3D totalmente realista, tal como o veria a olho nú, com binóculos ou com um telescópio.
Uma novidade é o Museu Virtual de Ciência e Tecnologia da Universidade de Brasília, que acaba de ser inaugurar, em comemoração ao Ano Internacional da Astronomia, uma nova exposição chamada Astronomia: Uma viagem inesquecível, ela traz imagens incríveis do Sol e também de planetas, asteróides e cometas. Além disso, apresenta um pouco da vida e da obra de grandes astrônomos, instrumentos antigos e atuais de observação, além de passatempos e atividades.
E agora, preparado para viajar?

Planeta extra-solar: Fomalhaut b

O nome dos planetas do Sistema Solar você conhece bem. Afinal, quem nunca ouviu falar em Mercúrio, Marte, Terra, Vênus, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno? O que muita gente não sabe é que esses não são os únicos planetas que existem. Os cientistas conhecem, atualmente, mais de 300 astros desse tipo, que giram em torno de estrelas que não são o Sol. Estamos falando dos planetas extra-solares ou exoplanetas, chamados assim por não pertencerem ao Sistema Solar.
Em dezembro do ano passado, o telescópio espacial Hubble fez a primeira fotografia de um planeta girando ao redor de uma estrela que não é o Sol. O astro fotografado foi o planeta Fomalhaut b, que deve ter o triplo da massa de Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar. O Fomalhaut b está em órbita da estrela Fomalhaut, localizada a 25 anos-luz da Terra. Para saber mais a respeito de planetas extra-solares como ele, acesse a CHC clicando aqui.

Preserve o Céu Escuro

As pessoas que vivem perto de cidades perderam a visão espetacular do universo que seus ancestrais apreciavam nas noites limpas de outrora. O desenvolvimento da tecnologia de iluminação elétrica e o crescimento da população urbana têm causado um rápido aumento no brilho do céu acima de comunidades, povoados, vilas e cidades. Mesmo nas áreas rurais, luzes de quintal mal projetadas frequentemente obscurecem o esplendor do céu noturno.
O aumento da luminosidade celeste, que afeta negativamente o meio ambiente e compromete a astronomia, é chamado de "poluição luminosa", que se origina principalmente do excesso de luz que nada faz para aumentar a iluminação noturna útil. É a luz que se espalha horizontalmente e para cima, a partir das fontes de iluminação mal desenhadas. É a luz que ofusca os olhos dos motoristas e proprietários de casas, comprometendo a visibilidade e a segurança.
O termo "poluição luminosa" se refere ao brilho global do céu, causado pelo grande número de fontes de luz mal desenhadas, geralmente associadas a uma área urbana.
"Poluição Luminosa" é um assunto de pouco conhecimento. Alguns confundem poluição luminosa com visual, que são coisas completamente diferentes. A poluição luminosa ataca o bolso dos cidadãos com propriedades mal iluminas.A
Astronomia é uma das áreas que mais estimula a curiosidade do ser humano. Todas as conquistas do homem na busca espacial tiveram início na simples observação dos astros durante as noites em épocas primitivas às nossas. Esta observação está com fim decretado pela ignorância ou falta de informação por parte da administração pública.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Galileu Galilei

Grande Físico, Matemático e Astrônomo, Galileu Galilei nasceu na Itália no ano de 1564. Durante sua juventude escreveu obras sobre Dante e Tasso. Ainda nesta fase, fez a descoberta da lei dos corpos e enunciou o princípio da Inércia. Foi um dos principais representantes do Renascimento Científico dos séculos XVI e XVII.
Sua primeira contribuição à ciência se deu no Duomo de Pisa. O sacristão acabara de acender uma lâmpada pendurada numa longa corda e a empurrara. O movimento pendular foi medido com as batidas do coração de Galileu. Ele percebeu que o tempo de cada oscilação era sempre igual e formulou a lei do "isocronismo" do pêndulo. Assim, encontrou o primeiro uso prático para aquela regularidade e desenhou um modelo de relógio.
A famosa torre inclinada de Pisa fez parte de uma outra experiência para contestar a tese de Aristóteles de que, quanto mais pesado fosse um corpo, mais velozmente cairia. Galileu deixou cair da mesma altura duas esferas iguais em volume, mas de peso diferente. Ambas tocaram o solo no mesmo instante. Em seu livro, "Saggiatore" ("Experimentador") combateu a física aristotélica e argumentou que a matemática deveria ser o fundamento das ciências exatas. Galileu desenvolveu os fundamentos da mecânica com o estudo de máquinas simples (alavanca, plano inclinado, parafuso etc.). Entre suas criações se destacam: o binóculo, a balança hidrostática, o compasso geométrico, uma régua calculadora e o termobaroscópio: feito para medir a pressão atmosférica, porém, serviu como termômetro. Em 1609, construiu um telescópio muito melhor que os existentes e explorou os céus como nunca fora feito antes. Além de estudar as constelações Plêiades, Órion, Câncer e a Via Láctea, descobriu as montanhas lunares, as manchas solares, o planeta Saturno, os satélites de Júpiter e as fases de Vênus. As descobertas foram publicadas no livro "Siderus Nuntius" ("Mensageiro das Estrelas"), em 1610.
A partir de suas descobertas astronômicas, defendeu a tese de Copérnico de que a Terra não ficava no centro do Universo. Como essa teoria era contrária ao dogma da Igreja, foi perseguido, processado duas vezes e obrigado a negar (abjurar) suas idéias publicamente. Foi banido para uma vila de Arcetri, perto de Florença, onde viveu em um regime semelhante à prisão domiciliar. As longas horas ao telescópio causaram sua cegueira, principalmente na observação do Sol onde constatou as manchas solares. A amargura dos últimos anos de sua vida foi agravada pela morte de sua filha Virgínia, que se dedicara à vida religiosa com o nome de soror Maria Celeste. Morreu em 8 de Janeiro de 1642. Foi enterrado na Capela de Santa Croce, em Florença.
Em 1992, mais de três séculos após a morte de Galileu, a Igreja reviu o processo da Inquisição e decidiu pela sua absolvição.

Tecnologia na escola

A geração atual já nasceu sob influência da tecnologia e a encara com a maior naturalidade. Se é assim, como deve ser a escola ideal para atender aos anseios dos "jovens digitais"? E como devem ser preparados os professores? Essas indagações são frutos de inúmeras preocupações nos dias atuais.
Os educandos não são os mesmos de 30 anos atrás. Eles têm acesso a diferentes recursos tecnológicos e participam de um mundo de informações muito mais rápido. Claro que tudo isso não pode ser ignorado na escola.
Neste contexto, devemos ter professores articuladores, mediadores e orientadores do processo em desenvolvimento pelo aluno. A criação de um clima de confiança, de respeito às diferenças e de reciprocidade encoraja o aluno a reconhecer seus conflitos e a descobrir a potencialidade de aprender a partir dos próprios erros.
No estudo da Astronomia, a diversidade de softwares, projetores, lunetas, binóculos, telescópios, entre outros, enriquecem o trabalho do educador e aproxima o educando ainda mais do conhecimento propiciando a sua construção.
Não basta uma escola equipada - precisamos saber lidar com todo aparato tecnológico. O uso das diversas tecnologias na escola tem evidenciado a necessidade de repensar questões relacionadas à aprendizagem e à prática do professor. Como lidar com a diversidade, a abrangência e a rapidez de informações e conhecimento? Como lidar com o novo conceito de tempo e espaço? Como integrar as diferentes tecnologias ao trabalho pedagógico (computador, Internet, TV, projetores, telescópio, vídeo...)?
Para entender estas questões torna-se necessário que os professores possam assumir uma postura de “aprendente” que compartilha com seus pares, alunos e com a comunidade em geral, a busca de saberes e a construção de redes de conhecimentos, com vistas a resolver os problemas do contexto e melhorar a qualidade de vida. As propostas de formação devem, portanto, propiciar uma aprendizagem contínua, na qual o professor aprende fazendo, refletindo e reconstruindo sua prática pedagógica no seu contexto de atuação. Lógico que para esse processo, o professor precisa querer fazer a diferença.
O vídeo abaixo é tudo que não queremos na escola. Tecnologia ou metodologia. Reflita!

video

quarta-feira, 13 de maio de 2009

De que tamanho somos nós?

Somos humanos... Nos sentimos poderosos, grandiosos... Verdadeiros bárbaros… O Homo Sapiens, dono da criação, no zénite do poder tecnológico.
Somos seis bilhões de pessoas na Terra... Sentimos os únicos no Universo.
Nos julgamos enorme... Que habitamos em um planeta invulnerável... Imune, pelo seu tamanho e grandeza...
Afinal são quinhentos e quarenta milhões de quilômetros quadrados de superfície!
Sua massa é 6 586 242 500 000 000 000 000 (6 sextilhões, 586 quintilhões, 242 quadrilhões e 500 trilhões de toneladas). São mais de mil trilhões de toneladas de água!
Um planeta assim é enorme mesmo.

Contemple esta foto abaixo por uns instantes...
Ela foi tirada por Cassini-Huygen, uma sonda espacial da NASA e ESA enviada em 2004, aos anéis de Saturno.

Você consegue ver nosso planeta?



Naquele pontinho indicado, estamos todos.
Todas as nossas guerras…
Todos os nossos problemas…
Toda a nossa grandeza e toda a nossa miséria…
Toda a nossa tecnologia, a nossa arte, os nossos feitos…
Todas as civilizações, toda a fauna e flora…
Todas as raças, todas as religiões…
Todos os governos, países e estados…
Todo o nosso amor… e o nosso ódio…

Que lição podemos tirar?

Se quiséssemos, poderíamos tomar esta fotografia como uma lição de humildade…
Como uma dupla mensagem: por um lado, da nossa pequenez no Universo, do irrelevante que são os nossos problemas e diferenças, quando os vemos a esta escala…
Mas por outro lado, do frágil que o nosso planeta parece, e da importância de cuidarmos deste pontinho azul,

…pois é o único lugar que temos.
Pense nisso... Nosso Lar é lindo... Vamos cuidar bem do Planeta Terra.


VEJA O PLANETA TERRA EM ESCALA

Em comparação aos planetas menores


Em comparação aos planetas maiores




Em comparação ao Sistema Solar


O firmamento como símbolo nacional

BANDEIRA DO BRASIL, uma das mais belas e sugestivas do mundo, é também a única a possuir uma esfera celeste (representação do firmamento onde a Terra é posicionada no centro de uma esfera de estrelas fixas).
Adotada em 19 de novembro de 1889, seu círculo interno, em azul, corresponde a uma imagem dessa esfera, inclinada segundo a latitude da cidade do Rio de Janeiro às 12 horas siderais (aproximadamente 8 e meia da manhã) de 15 de novembro de 1889 (Proclamação da República) e cada estrela representa um Estado da federação. Trata-se da mais completa ilustração celeste já imaginada para uma bandeira nacional. Cada vez que um Estado é extinto retira-se sua estrela. Quando ocorre uma fusão, apenas uma permanece para representar o novo Estado. Novas estrelas podem ser acrescentadas, na medida da criação de novos Estados, sempre obedecendo à configuração original.
Abaixo você poderá observar as constelações de Cão Menor, Hidra Fêmea, Virgem, Carina e Oitante. Destaque para Hidra Fêmea, ou simplesmente Hidra, é uma ampla constelação cuja estrela mais brilhante é Alphard, a 148 anos-luz. Hidra Fêmea tem apenas duas estrelas na bandeira, representando os Estados do Mato Grosso do Sul (criado em 1979) e ACRE (que se tornou Estado em 1962).


Dia mundial da Ciência pela Paz e pelo Desenvolvimento


A UNESCO e seus parceiros lançam o Concurso de Trabalhos Escritos e Desenhos em comemoração ao Dia Mundial da Ciência pela Paz e pelo Desenvolvimento (10 de novembro), ao Ano Internacional da Astronomia (ambos estabelecidos pelas Nações Unidas), e aos 40 anos da chegada do homem à lua. Para participar, estudantes do ensino médio de todo o Brasil devem apresentar trabalhos escritos e/ou desenhos sobre o tema “Nossa presença no cosmos”, até o dia 24 de agosto de 2009. Mais informações clique aqui.

Dia Nacional da Astronomia

Dia 02 de Dezembro, comemora-se o Dia Nacional da Astronomia! A data foi escolhida por ser aniversário de D. Pedro II (1825-1891), logo após ter sido dado a ele o título de “Patrono da Astronomia Brasileira”. Além de criar por decreto de 15 de outubro de 1827, o Imperial Observatório, D. Pedro II contratou astrônomos europeus de renome para trabalhar no Brasil e sempre manteve contato com celebridades da ciência do céu, como o francês Camille Flammarion (1842-1925).
Em seu observatório particular, construído no telhado do Palácio de São Cristóvão, hoje Museu Nacional, local de seu nascimento, D. Pedro II atendia alunos em observações e para aprender a usar os instrumentos. No Imperial Observatório, tinha um apartamento que usava para descansar após horas de observação. Sob forte oposição do Parlamento, e até merecendo caricaturas na imprensa, concedeu aos astrônomos verbas para instalar três missões científicas na observação da passagem do planeta Vênus pelo disco solar, em 6 de dezembro de 1882, fenômeno que só iria se repetir em 8 de junho de 2004.
As observações permitiram desenvolver cálculos precisos para determinar a distância da Terra ao Sol, essencial para estabelecer a Unidade Astronômica (UA) e, com isto, as demais distâncias dos outros planetas.
O reconhecimento da comunidade científica está patente no planetóide 293, ao qual foi dado o nome de Brasília por Augusto P. Charlois (1864-1910), em homenagem ao Imperador do Brasil. A devoção de D. Pedro II ao cosmos pode ser avaliada em quadro no Museu Histórico Nacional onde ele aparece com um livro tendo ao fundo a cúpula do Imperial Observatório.

Lixo no espaço

Segundo a NASA, o maior perigo para os astronautas da Atlantis será os restos de satélites e de outros materiais que orbitam em torno da Terra.
“Esse é nosso maior perigo", disse John Shannon, diretor do programa de naves, em entrevista coletiva do Centro Espacial Johnson, da Nasa, em Houston (Texas).
Segundo Shannon, as possibilidades matemáticas de que um desses pedaços de material em órbita atinja algum dos astronautas são de 1 em 185. Quando se trata de tarefas realizadas ao redor da Estação Espacial Internacional (ISS), essas possibilidades são de 1 em 300, acrescentou.
A órbita do Hubble está a aproximadamente 560 quilômetros da Terra, onde é maior a quantidade de materiais de outras naves ou de foguetes. A órbita da ISS é inferior a 400 quilômetros.

Atlantis em sua última missão de upgrade do Hubble

O Telescópio Espacial Hubble é um telescópio robótico localizado fora da atmosfera, em órbita circular ao redor da Terra. Foi lançado em 1990 (há 19 anos), resultado da parceria entre as agências espaciais norte-americana (NASA) e européia (ESA) e está a cerca de 560 quilômetros da Terra, longe dos efeitos da atmosfera que limitam a eficiência dos telescópios terrestres.
Idealizado nos anos 40, projetado e construído nos anos 70 e 80, o Telescópio Espacial Hubble, foi batizado em homenagem a Edwin Powell Hubble, que revolucionou a Astronomia, ao constatar que o Universo estava se expandindo.
No último dia 11 o ônibus espacial Atlantis, entrou para a história para realizar uma grande missão: será a última vez que astronautas visitarão o Hubble.
As tarefas de reparação e serviço do Hubble serão realizadas em uma missão de 11 dias, onde serão feitos reparos e instalados instrumentos para permitir o bom funcionamento do telescópio espacial até que ele seja substituído pelo James Webb, que está previsto para entrar em operação a partir de 2013.
Para maiores detalhes sobre esta missão rumo ao Hubble clique aqui.
.
AS MAIS FASCINANTES IMAGENS OBTIDAS PELO TELESCÓPIO ESPACIAL HUBBLE

sábado, 9 de maio de 2009

FirstScope Telescope for IYA 2009

A Coordenação do Ano Internacional da Astronomia 2009 no Brasil está disponibilizando aos nós locais a aquisição, a custo muito baixo, de telescópios dobsoniano marca Celestron (fabricante de telescópios e uma das empresas patrocinadoras do IYA 2009). Este aparelho possui 76mm de abertura e, por utilizar espelho, tem uma imagem muito mais limpa. É portátil (apenas 2kg), bonito e permite uma magnificação (aumento) de até 75 vezes, o que é muito bom para ver a Lua, Vênus, Júpiter, Saturno, dentre outros astros.
Veja a descrição completa no site oficial da Celestron clicando aqui.
.

XII Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica

A Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) é organizada pela Sociedade Astronômica Brasileira (SAB), em parceria com a Agência Espacial Brasileira (AEB) e com Furnas Centrais Elétricas S/A.
A XII OBA será realizada na próxima sexta-feira dia 15 de maio de 2009, em todas as escolas previamente cadastradas, desde que tenham ensino fundamental e/ou médio, de qualquer modalidade.
As escolas do Acre não poderiam ficar de fora desta enorme celebração da Astronomia no Brasil. No Estado do Acre aproximadamente 90 escolas (municipais, estaduais e federais - pública ou privada) de Ensino Fundamental e Médio se inscreveram na XII OBA. Um recorde de participação.

Para conferir as escolas acreanas participantes clique aqui.

Que nossos alunos possam realizar uma ótima prova e que venham as MEDALHAS !

segunda-feira, 4 de maio de 2009

ONU declara 2009 o Ano Internacional da Astronomia


THE UNIVERSE YOURS TO DISCOVER

International year of astronomy 2009

O ser humano sempre buscou compreender o funcionamento do Universo. Desde a Antiguidade, os povos observavam as estrelas, cometas e planetas para tentar desvendar os mistérios do espaço. Em diversas civilizações, por exemplo, muitas estrelas e planetas foram transformados em deuses. Muitas lendas contam a origem destes astros e delegam poderes especiais a eles. Mas foi somente durante o Renascimento Científico ( séculos XV e XVI ) que o homem passou a ter uma visão mais detalhada e significativa do Universo.
Astronomia significa etimologicamente a "lei das estrelas" com origem no grego: (άστρο + νόμος) povos que acreditavam existir um ensinamento vindo das estrelas. Hoje é uma ciência que se abrange o campo de conhecimento da Física, da Biologia, da Química e da Matemática. Envolve diversas observações procurando respostas aos fenômenos físicos que ocorrem dentro e fora do nosso planeta Terra, bem como em sua atmosfera e estuda as origens, evolução e propriedades físicas e químicas de todos os objetos que podem ser observados no céu (e além Terra), bem como todos os processos que os envolvem.
A Organização das Nações Unidas (ONU) proclamou 2009 como o Ano Internacional da Astronomia. A decisão foi tomada dia 20 de dezembro, em sua 62ª Assembléia, a partir de uma proposta encaminhada pela Itália, pátria de Galileu Galilei. O Ano Internacional da Astronomia é uma iniciativa da União Astronômica Internacional (IAU, sigla em inglês) e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).
Neste ano comemoramos 4 séculos das primeiras observações astronômicas realizada com um instrumento apropriado (simples luneta) por Galileu Galilei.
O Ano Internacional da Astronomia será uma celebração global com grande ênfase à educação, ao envolvimento do público e ao engajamento dos jovens na ciência, através de atividades locais, nacionais e globais.
O IYA 2009 - International Year of Astronomy é uma colaboração global para fins pacíficos – a procura de nossas origens cósmicas, uma herança compartilhada por todos os cidadãos do planeta Terra. A ciência da astronomia representa milênios de colaborações, permeando todas as fronteiras: geográficas, idades e gêneros, raças e culturas, fornecendo uma base completa para a Carta de Princípios da ONU. Neste sentido, a Astronomia é um exemplo clássico de como a ciência pode contribuir para o aprofundamento da colaboração internacional.

Para acessar o site nacional da Ano Internacional da Astronomia, clique aqui.

Contemple o Universo. Vamos descobri-lo.

video